segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Por cada palma que bates às pedras que caiem em Berlim, ajudas a empilhá-las em outro sítio..

Sobre a campanha anualmente idealizada pelo capital, de aniversário da queda do muro de Berlim, talvez convenha às mentes mais emotivas considerar o Muro Fronteiriço EUA-México, construído pelos EUA, Muro da Cisjordânia, construído por Israel de volta e por dentro do território Palestiniano, Muro do Saara etc etc etc
 Se o capitalismo aplaude a queda do muro de Berlim, e o desmoronamento da URSS, capitalismo que vemos hoje em Portugal no BPN, BPP, BES, PT, GALP etc,
 Se as condições de vida da maioria do povo dessas ex repúblicas socialistas piorou, com aumento da exploração, do desemprego, da corrupção, da falta de cuidados de saúde etc
 Se houve um desequilibro na balança entre sistemas económicos que permitiu ao capitalismo galopar, como vamos sentindo nas nossas vidas, atacando os mais fracos para proteger os senhores do dinheiro..
 Se os capitalistas investem para que haja muros (sejam físicos ou não) que separem os seus interesses do das populações..

 Porque raio batemos palmas?

Será que é porque vemos na TV um testemunho de alguém dizendo que na RDA havia falta de produtos alimentares, (que varia entre bolachas oreo e batatas)? É isso que pensam os mais de 1.000.000 (um milhão) de portugueses desempregados? Ou os mais de  2.000.000 (dois milhões) de portugueses que vivem na pobreza?

Será que é porque ouvimos um testemunho de alguém na TV dizendo que tinha família do outro lado do muro? E os milhões de emigrantes portugueses empurrados para fora do nosso país? Batemos palmas ao sistema que os coloca nessa situação?

 Ficamos contentes por dar mais poder aos nossos carrascos?

Não nos questionamos sequer, que do outro lado pudesse haver uma política que se distanciando da capitalista, tivesse benefícios para a população? Nada de bom?

Não baterei palmas pela queda, nem pela construção de muros.
Não baterei palmas porque alguém mo diz para fazer, seja de forma directa ou indirecta.
Não baterei palmas pela hipocrisia do uso da palavra liberdade pelos opressores.

Baterei sim pela igualdade de oportunidades, de condições de vida, de saúde, de educação, de lazer.

Baterei mais do que palmas sim, pelo fim dos explorados e exploradores, esse, um verdadeiro muro.

 Mas para quem apenas consegue bater palmas, ao que lhe é intencionalmente injectado pela comunicação social dominante....

quarta-feira, 30 de abril de 2014

" "

A única saída limpa deste governo, é a do vice primeiro ministro de Portugal.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Dia dos Namoricos com este tempo..

Meus amigos eu compreendo, isto tá mau, não há guito, pelo menos não para quem vive do seu trabalho, além disso o San Pedro não ajuda, e chove, trubeija e o vento sempre a soprar.

Mas na horinha, vamos lá com calma sim?!

Pró ano volta a haver Dia dos Namorados!
;)



Image and video hosting by TinyPic

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Foge Foge Bandido!!

Hoje em Braga o Dr Passos Coelho foi tratado como merece.
Rabiou, encenou, fugiu e escondeu-se, assim foi a jogada mirabolante deste "democrata", que diz ouvir sempre o que o povo tem a dizer. Entre as centenas de manifestantes, estavam pensionistas, trabalhadores, famílias, desempregados e trabalhadores com vínculos precários, entre outros que aqui me possa esquecer. Duas coisas posso dizer, como todo o bandido tenta fugir ao julgamento, o dito Dr. assim o fez, mas não espera pela demora. E uma outra, nem árbitros de futebol alguma vez foram tratados com tanto carinho. O Coelhinho e seu bando de larápios, têm medo, e é bom que tenham! Já agora, que não se esqueça aqui o Dr Miguel Macedo, que em visita à sua terra, ouviu e comeu o que o povo cá acha dele.
Mais uma vez é caso para dizer, foge foge bandido!!

segunda-feira, 23 de abril de 2012

A Mentira

A Mentira

Rui Manuel Carreteiro
Psicólogo Clínico

A mentira é tão frequentemente utilizada que o seu sentido ultimamente parece tender a ser banalizado. Segundo as estatísticas (citadas por Roque Theophilo), mentimos cerca de 200 vezes por dia e em média uma vez por cada 5 minutos. Começando pelos falsos elogios - p.ex, essa saia fica-te mesmo bem -, passando pelas desculpas "esfarrapadas" - p.ex., não pude fazer os trabalhos de casa porque faltou a luz - ou pelas mentiras descaradas, chegam mesmo existir casos em que os pais, que parecem tão preocupados quando os filhos mentem, os incitam a mentir - p.ex. quando lhes pedem para dizer que eles não estão em casa.
 A mentira pode surgir por várias razões: receio das consequências (quando tememos que a verdade traga consequência negativas), insegurança ou baixa de auto-estima (quando pretendemos fazer passar uma imagem de nós próprios melhor do que a que verdadeiramente acreditamos), por razões externas (quando o exterior nos pressiona ou por motivos de autoridade superior ou por co-acção), por ganhos e regalias (de acordo com a tragédia dos comuns, se mentir trás ganhos vale a pena mentir já que ficamos em vantagem em relação aos que dizem a verdade) ou por razões patológicas.
 Na infância mentimos para nos isentarmos das culpas. Muitas vezes os adolescentes descobrem que a mentira pode ser aceite em certas ocasiões e até ilibá-los de responsabilidade e ajudar a sua aceitação pelos colegas. Algumas crianças e adolescentes que geralmente agem de forma responsável, podem cair no vício de mentir repetidamente ao descobrir que as suas mentiras saciam a curiosidade dos pais.
 A mentira existe ao longo de toda a escala patológica. A saúde mental só é compatível com a verdade. De nada serve querer acreditar que o nosso familiar não faleceu quando na realidade isso não é a verdade, de nada serve acreditarmos que somos capazes de voar, se na realidade não temos asas.

Nos estados neuróticos, a mentira pode surgir com base numa incapacidade da consciência aceder a factos recalcados e que se encontram no nosso inconsciente, ou por problemas de auto-estima e auto-imagem que despoletam a necessidade de fazer passar uma auto-imagem melhor do que a que acreditamos ter.

Nos estados limite, a mentira aparece frequentemente devido à falta de barreiras externas que balizem o comportamento. Esta situação surge frequentemente em filhos de pais muito repressivos ou demasiadamente permissivos.

Esta incapacidade em controlar os impulsos é causadora de um sofrimento nítido razão pela qual deve ser alvo de tratamento. Nos dependentes da mentira, o primeiro passo a dar consiste em assumir que existe um problema e de seguida procurar ajuda para esse mesmo problema. A nível da abordagem terapêutica o tratamento passa geralmente pela realização de uma terapia psicológica.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Pela pessonhenta estrada galgam os porcos..


Algumas palavras ditas por alguns dos intervenientes no acordo tripartido para alterações ao código do trabalho:

(ps: a leitura deste texto pode ter como efeitos secundários, sensação de confusão, vómito, diarreia, náusea e repúdio, pelo que se recomenda seriamente a sindicalização no seu sindicato de classe, a CGTP-IN)

OE 2012. Meia hora de trabalho a mais é "irrelevante", diz CIP
Economia Publicado por iOnline 19/10-2011 @ 16:01

Autor(es): Agência Lusa :

O aumento do horário de trabalho para o setor privado em meia hora por dia é “irrelevante" porque “hoje a maior parte das empresas não tem encomendas, não tem trabalho”, declarou à Lusa o presidente da CIP, António Saraiva. “A operacionalização da meia hora é complicada. Hoje a maior parte das empresas não tem encomendas, não tem trabalho, e ter os trabalhadores mais meia horas nas empresas é, diria, irrelevante”, considerou o líder da Confederação Empresarial Portuguesa (CIP)... " a redução da Taxa Social Única (TSU) era mesmo o “cavalo” em que a organização apostava como estímulo à competitividade das empresas." Patrões preferem corte de salários no privado em vez da meia hora


Cristina Oliveira da Silva e Mariana Adam
13/01/12 12:10

As três associações patronais disseram hoje, à TSF, que estão disponíveis para assinar um acordo sem a medida que prevê o aumento em meia-hora diária, não paga, no privado...

O presidente da CIP - Confederação Empresarial de Portugal confirmou que esta medida está em cima da mesa. António Saraiva acrescentou que "a CIP tem feito saber ao Governo que tem abertura para retirar a meia hora. Se esta for substituída por uma outra medida que permita a correcta utilização da mão-de-obra com as necessidades das empresas pode ser através deste corte de salários com redução de horas de trabalho ou um banco de hora individual...


Presidente da CIP quer meia hora com "eficácia real"
Publicado em 2012-01-13

A CIP, que defendeu a redução da Taxa Social Única e concorda com o aumento de meia hora diária no horário de trabalho, considera que "reduzir a TSU, aumentar meia hora, e férias e feriados ou outras medidas equivalentes são essenciais para gerar riqueza, aumentar a produtividade e manter e criar emprego".


Em entrevista ao Diário Económico, João Proença:
Cristina Oliveira da Silva
20/01/12 17:25

Começava por perguntar-lhe porque é que assinou este acordo?

...Porque é um acordo por que sempre nos batemos, primeiro cair a meia hora, porque a meia hora é completamente inaceitável. E quero dizer que só houve abertura à meia hora na parte final de Dezembro.

Acha por exemplo que as alterações que foram encontradas para substituir a meia hora - as reduções nas férias, feriados e pontes - são melhores para os trabalhadores, tendo em conta que os próprios empresários disseram que a meia hora não teria grandes efeitos práticos?

Repare: o que está a dizer, é totalmente falso. Não é as férias, feriados, faltas e pontes, elas iam claramente para a frente com a meia hora.

Retomando, então qual foi a moeda de troca encontrada para substituir a meia-hora que, por si, já era uma substituição da TSU?

A grande moeda de troca para o Governo foi, de facto, a UGT estar disponível para discutir a questão e de comprometer-se com medidas que estavam previstas no memorando da ‘troika' diminuindo a conflitualidade social. Era basicamente isto.

Sem acordo haveria a desregulação absoluta do trabalho?

Desregulação absoluta não. Mas mais forte, não há qualquer dúvida, aliás, as palavras do ministro da Economia foram sempre muito claras: se não houvesse acordo, se a UGT não cedesse às contrapartidas da meia hora ...

Quais foram as ameaças?

Isso não vale a pena falar, mas caía o Carmo e a Trindade...

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Origem 1



Pintura a Óleo sobre Tela


Manufactura anatómica

Pela praia inacreditavelmente exacta
caminham três objectos mágicos-paranóicos:
uma trança extremamente negra,
um chapéu de chuva erecto e antiquíssimo
e uma mesa toda branca, sangrando sempre.
Dirigem-se para o encontro delirante
do desejo,
onde a colher de cristal,
pondo fim a si mesma,
se transforma na conjugação da lua
e do mistério remoto.
Aí,
à meia-noite do mistério perdido,
todos os objectos adquirem aquela forma,
misto de vegetal e de ave marinha,
que se encontra pelas estradas
quando os falcões descem verticalmente.

se realizam as sagrações do rito ignorado.

se vendem e se compram os suicídios,
os olhos abandonados,
e todos os segredos realmente perfeitos.

se encontram os aviões
desfazendo-se lentamente,
muito lentamente.
Aí,
uivos e orquídeas
panteras e braços solitários.
Aí,
nós, tu e eu,
olhando o segredo
que existe nos poços milenários
onde um punhal se nos aponta eternamente

A trança extremamente negra,
o chapéu de chuva erecto e antiquíssimo
e a mesa toda branca, sangrando sempre

estão agora connosco...


Mário Henrique Leiria

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Sugestão de Boas Festas..


Como chegamos ao final do ano, e não se prevê um Bom 2012. Não pelo menos para a maioria dos portugueses, fica aqui uma sugestão cinematográfica, bem natalícia, para quem se quiser deliciar com o humor britânico de Monty Python, neste estranho solarengo inverno. Boas Festas...




Filme - Vida de Brian

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Passo a Passo!


As lutas económicas são indespensáveis para defender os interesses vitais imediatos das classes trabalhadoras, para fazer frente à exploração desenfreada conduzida pelo grande capital, para conseguir melhores salários e melhores condições de vida... Qualquer trabalhador o sabe por experiência. Só gente que não vive nem sofre na carne a exploração patronal, só gente indiferente e insensivel à situação dos trabalhadores portugueses, desconhecedora da sua vida e da sua luta, pode afirmar que a luta económica "é uma questão secundária" e que " não te qualquer eficiência "... Não se pode intensificar e alargar a luta política e elevá-la a um nível superior se se menosprezar a luta económica... Quando alguns dizem que a luta económica está ultrapassada, que chamar à luta económica e à luta politica por reivindicações concretas é " puxar para tràs o movimento ", eles mostram não compreender que, se isso não for feito jamais poderá o movimento popular subir ao nível de uma insurreição. Mas não é isso, na verdade , o que eles pretendem. Eles cuidam que uma ou duas grandes manifestações políticas são condição bastante para lançar em seguida a insurreição. Eles queriam que logo a seguir a uma grande manifestação a palavra de ordem fosse: " insurreição armada "... Eles imaginam a insurreição como a " acção directa " de grupos armados e julgam que " as massas vão atrás " do exemplo dos heróis.

Alvaro Cunhal in " Rumo à Vitória"

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Saramago


Técnica mista - 2010

domingo, 9 de outubro de 2011

Ok, percebo porque o pato Donald tenha medo dos comunistas...


Hà uns dias, esperando a minha vez no barbeiro, desfolhava uma dessas revistas produzidas para o efeito atràs referido, quando me deparo com um artigo, digamos, verdadeiramente rigoroso e democrático, livre de carga ideológica, como se espera dos meios de comunicação social, principalmente privados.
Artigo esse, que tinha como titulo qualquer coisa que me pareceu cirílico!!
Estranhamente, mas não tanto como se devia esperar, percebi que vinha ali mais uma grande peça jornalistica, não tivesse abaixo desse titulo tão esclarecedor, uma imagem de José Estaline acarinhando crianças. Logo por aqui, deviamos perceber que se tratava de um cartaz de propaganda soviética, pois como a todos nos é dito, Estaline era o monstro que as mães soviéticas ameaçavam chamar, se seus filhos não comessem a sopa ( ironicamente, sopa essa feita de crianças, mas um bocadito mais pequenitas).
Por fim, na nossa querida lingua, algo deste tipo; no comité central do pcp os filhos ocupam o lugar dos pais, e hà autênticas dinastias.
Seguindo-se o rigoroso argumento que uma militante do PCP, usava "um ar negligé estudado, aparentemente obrigatório para serem considerados um entre iguais."
Sinceramente, gostaria que o Gustavo Sampaio e a Sara Capelo fossem mais objetivos aquando dessa e outras afirmações que se seguirão, até porque se eu fosse o Patrão de um partido ou Empresa aparentemente democrático, e os meus subordinados vestissem o que eu mandasse, seria pura estupidez que lhes pemitisse falarem sobre isso. Arranjava com certeza maneira de eles dizerem e escreverem aquilo que eu quisesse. Sinto-me confuso, se é para aparentar ( ter a aparência) , porque motivo ir confessar isso aos jornalistas??!!
Adiante, a peça jornalística, tenta seguir-se com exemplos de filhos e pais, que não por afinidade ideológica e consciência, "mamam na teta do comité central do PCP"... Aqui, eu não percebo porque sublinhar este ponto numa peça tão elaborada, quando é sabido que o PCP, não tem assim tantos assentos parlamentares, e como se sabe, os deputados não ficam com o salário de deputado. Não é governo e não gere empresas público-privadas, ou só privadas. Interrogo-me então, porque as pessoas se aproximam deste partido, com interesses de ganância oculta?! Faz-me bem mais sentido, um desses partidos do "arco do poder", mas como todos sabemos, por EXPERIÊNCIA, que esses partidos nada fazem nesses campos, assim como não existem dinastias nem interesses económicos nesses mesmos... Aliás, bem sabemos que as familias burguesas protegidas pela morta realeza portuguesa, se extinguiram, assim como aquelas ligadas ao regime Fascista de Salazar e Caetano...
Mas seguindo aquele maravilhoso texto, os jornalistas?!, brindam-nos com, se não estou em erro, quatro exemplos de um universo de mais de uma centena de pessoas, sempre tentando dar a entender o quão representativo os quatro são.
No entanto a julgar pela qualidade da peça, fico com a ideia que é possivel que sejam dos únicos casos, não explicam porque dão a entender que é "tacho", apenas atiram ao ar, e a escrita é tão ofensiva, que perde qualquer rigor que lhe quisessem ímpor..

Continuam ridicularizando o PCP, através das suas palavras de ordem, muitas que foram um impulsionador na conquista da democracia em Portugal, assim como nos direitos de quem trabalha, aos quais incluo jornalistas, aparentemente não estes, mas sim jornalistas...
Por fim, dou por concluída a minha leitura, unicamente com a mensagem que os comunistas, são quatro ou cinco familias perigosas, provavelmente com ligações á máfia de leste, e os outros a que ele aderem, não passam de marionetas em suas mãos.
A maravilhosa peça, acaba de forma interessante, com um quiz sobre o comité central, que na minha perspectiva, teria sido de bom gosto profissional fazer uma peça jornalistica, sobre isso mesmo, porque afinal ó senhores jornalistas:

o que é o Comité Central?

quem são essas quase duas centenas de pessoas que o compõem?

porque é estranho os comunistas, consciêncializarem crianças ou adolescentes para a sua participação democrática?

porque é que o Fernando Medina não é do PCP, se tinha, seguindo a vossa lógica, grande tacho no C.C.?

Muitas mais perguntas por responder...

Nada de novo neste texto ou revista (sábado), uma muito má tentativa de caricaturar o PCP e seus militantes, que falha completamente... ( não escrevessem para agradar ao chefe!) se talvez o tivessem feito com um ar mais negligé!

Já se viu muito melhor, lembro-me de repente do novo filme dos X-Men, em que em plena Guerra Fria, os soviéticos eram manipulados por um Mutante mau... só para... só mesmo.. sem querer menosprezar o vosso trabalho...

No entanto, deixo aquilo que mais me chocou para o final.
Isto deixa-me mesmo irritado, é que não só os comunistas almoçam fora!! Como, pasmem-se!!!

COMEM ARROZ DE PATO !!!

SA000710102011